sábado, 25 de outubro de 2014

Eu

1:85cm, olhos castanhos, cabelo preto, tipo físico médio, piercings nas orelhas. Não consigo viver sem comida, cigarro, sexo, trabalho e mar. E no meu quarto você esbarra em pc, cds, livros, armário, cadeira de balanço (sim, eu tenho, pq?), cama e insônia, insônia, insônia...

Não falo muito da minha vida pessoal, e não suporto pessoas inconvenientes, vulgo 'pé no saco'. Resumindo, tenho um filho de 6 anos de um relacionamento anterior, e vivo com uma pessoa sensacional há 7 anos. Sou formado em administração, exerço a profissão, e a poesia, mais especificamente o erotismo, entrou na minha vida por acaso, e se tornou minha válvula de escape, eterna companheira de insônia, minha paixão, onde meus delírios, desejos, sonhos, e devaneios brilham e sangram ao rabiscar.

Um par perfeito? Aquela pessoa onde as imperfeições são transparentes desde o início. Um encontro ideal? Aquele onde o sexo sairá pela boca, o amor pelos olhos, e a amizade pelo corpo.

Tenho tesão em bocas, piercings, dançar, erotismo, flertar, inteligência, cabelos compridos, demonstrações públicas de afeto, poder, sarcasmo, e nadar nu. Tenho tesão em gente, em boca molhada, pensamento indecente, olhar doce e sacana, que arrebatam urgente, e me arrastam pra cama.

Não me vejo como poeta, eles brincam com letras, e operam milagres. Fazem sentir o aroma, o gosto da lágrima, o sal do mar, e o doce do olhar. Eu tento apenas rabiscar, abusar dos tons, atiçando os sons, e desenhar molhado, tatuando a pele. Se não der, com meu suor, imprimo colorido o tesão que me impele.

Quanto a língua será culta, lendo nas entrelinhas, fundo, sem culpa. Enquanto meu lápis, rabiscando afiado, soltará versos para todo lado! Por isso afirmo ser uma pessoa normal, onde escondo minha timidez na selvageria da língua, ou na ponta do lápis. (Rafael Jr)